quarta-feira, 9 de agosto de 2017

El Cruce 2018 - Inscrições abertas

Para se inscrever clique na imagem

Estão abertas as inscrições para o El Cruce 2018 maior e mais importante prova de trail running da America do Sul.
A competição mudou de data deixando de acontecer no mês de fevereiro passando para o outro extremo do calendário, em 2018 a disputa será em dezembro na cidade de Pucon no Chile, para saber mais detalhes da próxima edição clique aqui: carta 1 
Para a próxima temporada o El Cruce já se encontra em meu calendário, nos encontramos lá para curtirmos esta bela travessia.

terça-feira, 8 de agosto de 2017

L Bike Race 2017 - Deu pódio na geral




Aproveitando que tenho feito muitos treinos com minha super bike uma Soul Magma HT 729  competi aqui pertinho de casa a meta era testar o equipamentos em condições mais agressivas, fiquei satisfeito com resultado.
Eu já estava alguns meses sem competir em provas de mountain bike porém como a adaptação com a nova bike esta sendo muito boa e tenho experiência de muitas temporadas já segui para prova tendo em mente que uma boa disputa seria possível já o resultado teria que esperar cruzarmos a linha de chegada.
A prova aconteceu em Santa Rita de Ouro Preto, região repleta de trilhas e montanhas desafiadoras, conheço a prova de edições anteriores porém o circuito havia mudado totalmente.
Pela frente teríamos 26 km de muito sobe e desce principalmente até a metade do circuito, o terço final era um pouco mais veloz mas uma parede de 800 metros com uma grande inclinação seria o teste final para todos os bikers.
A largada aconteceu as 10 horas, um pequeno trecho de deslocamento dentro da cidade e logo começamos a subir dentro de um dos bairros, este começo era em estrada pavimentada, entre a largada e o começo da primeira subida eu fiquei no meio do grande pelotão, logo que a dificuldade começou a exigir esforço extra eu encontrei uma brecha e pulei para o primeiro pelotão que era de 5 jovens atletas, assim que entramos nas estradas de terra o ritmo voltou a ficar forte e na altura da meta de rei da montanha acabei perdendo contato com esses grupo e fui alcançado pelo segundo pelotão que em um primeiro momento era formado por 3 bikers, depois por 4 e por fim ficamos em um grupo de 7 atletas.
Todos fazendo muita força para alcançar a fuga até que um atleta da ponta começou a entrar na alça de mira, alcançamos ele ficando então um pelotão com 8 integrantes, todos queriam uma vaga no pódio da geral mas esta única vaga foi bem disputada.
Apesar de ser um circuito curto e relativamente rápido as íngremes subidas começaram a minas minhas pernas desta forma eu comecei a "pingar", perdia a roda do último a minha frente e quase sobrava deste grupo mas o psicológico falou mais alto é me mantive por ali...
De repente vi que todos estavam no limite pois alguns começaram a "sobrar", alguns quilômetros a frente o pelotão se fracionou e ficamos em 5, depois em 4 e finalmente em 3, neste momento comecei a acreditar ainda mais na possibilidade de um resultado top 5 na geral, estudei meus adversários diretos e vi que eu estava subindo um pouco melhor que eles nas rampas mais longas, chegamos nos trechos de velocidade, eu era o segundo da fila até que em uma curva muito veloz o jovem que vinha logo depois de  mim teve dificuldades para fazer a curva e perdeu contato, assim ficamos eu e mais um  por sinal um atleta jovem da categoria sub 23.
Chegamos no km final, o companheiro de fuga usou uma estratégia de atacar no pé da última subida, na parte mais inclinada ele conseguiu abrir cerca de 50 metros mas logo começou a perder velocidade neste momento eu calmamente comecei a encostar (veja fotos abaixo) respirei fundo e ataquei sem deixar margem para que ele viesse junto, assim abri os segundos necessários para conquistar a 5ª colocação geral e subir no pódio junto dos melhores.     
  


Tenho total consciência que a L Bike Race trata-se de uma prova de nível regional mas fiquei muito feliz com minha performance, nem foi tanto pelo resultado mas sim pelo que consegui desenvolver nos momentos de dificuldade, todos estavão sofrendo com esforço mas eu tive a tranquilidade calma  e paciência para decidir minha colocação no momento certo, esse amadurecimento vem de muitas temporadas competindo mais vem também de um trabalho personalizado que venho fazendo no Núcleo de Integralização Humana NiHumana, a psicóloga Wania Rennó Sierra tem me ensinado técnicas incríveis para potencializar meus rendimentos nas competições e treinamentos.
Agora os treinos seguem firme visando a preparação final para a Ultra Trail du Mont Blanc onde no final de agosto irei disputar a OCC.
Aproveito a oportunidade para agradecer meus patrocinadores o Clube Recreativo Dom Pedro II, Kailash, e os apoios da Bike Shop Avelar DrumondSoul Cycles, Trifosfato e o belo trabalho do meu técnico Sidney Togumi através de sua assessoria a UPFIT


5º lugar Geral

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Sempre existirá uma pedra no caminho

Nesta temporada meus principais objetivos esportivos são o campeonato mundial de trail running que aconteceu na Itália no mês de junho e a OCC uma das provas do UTMB.
O mundial passou, não consegui uma performance que pudesse refletir o quanto duro foi minha preparação vários erros e falhas durante a prova me fizeram ficar até meio deprimido com minha performance mas a maré ruim passou e um novo objetivo se projetou diante de meus olhos.
Eu vinha seguindo firme minha preparação para mais uma passagem pelo Mont Blanc porém de repente me aparece uma pedra no caminho...um estiramento.
Durante uma sessão de treino intervalado a panturrilha direita não aguentou, eis que já me encontro já alguns dias sem correr tentando me recuperar a tempo de chegar no Mont Blanc pelo menos sem dores.
Uma grande saída para este momento esta sendo treinos com mountain bike e muita academia buscando minimizar os estragos feito por esta lesão, tenho pela frente 3 semanas para me recuperar e assim curtir as trilhas europeias no mais alto nível de intensidade. #euacredito 

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Novas Experiências

O ser humano no geral e meio cabeça dura, toda vez que vê algo novo torce o nariz, comigo não e diferente, por vários motivos não gosto de novos experimentos, não gosto de trocar o que esta dando certo é as vezes por mais que eu tenha conhecimento que algo pode me ajudar a melhorar no esporte por exemplo eu fico com medo de arriscar ou simplesmente executar.
Por hora tenho dois exemplos, vamos a eles.
Musculação
No passado já malhei, sei da importância dao trabalho de fortalecimento muscular para prevenir lesões e ou dar aquele gás no final das provas de endurance porém ficar dentro de uma academia levantando peso não e minha praia.
Tem muito tempo que estou sendo orientado por vários profissionais da área esportiva a malhar pelo menos alguns membros específico mas eu era irredutível, mudei de idéia...
Um dia durante uma viagem me peguei pensando em quais ações eu deveria tomar para tentar ser um pouco mais competitivo, entre elas me veio a cabeça este trabalho de força, então conversei com amigos profissionais da educação física e também com meu técnico Sidney Togumi e comecei a fazer um trabalho 2 vezes por semana sendo que cada uma das sessões não dura mais que 50 minutos, posso dizer que já sinto uma leve melhora física após a 7ª sessão.
Trasmissão de marchas na mountain bike
Outra situação que rolou foi quanto a equipamentos, eu sou da época que as mountain bikes eram padrão 3 coroas, só que de lá até os dias de hoje muita coisa mudou, hoje o que mais se vê são bike com apenas uma coroa e com um número muito grande de cogs no cassete (catraca) inclusive hoje a maior catraca tem 50 dentes ou seja muito maior do que os 30 que tinha quando comecei a pedalar.
Pra mim uma bike com apenas uma coroa seria impensável, mesmo os cálculos me mostrando que poderia ter uma opção de marchas ainda mais leve do que as que eu tinha no passado eu sempre torcia o nariz quando precisar pensar em adquirir um equipamento novo, isso também mudou.
Acabei de adquirir uma mountain bike nova, escolhi uma transmissão 1x12 velocidades da Sram, trata-se do Sram Eagle onde tenho apenas uma coroa de 36 dentes e uma opção de cogs no cassete que vai de 10 até 50 dentes, o sistema e simplesmente o máximo em eficiência.
Bem o que fica de lição deste texto e que temos que abrir (eu tenho que abrir) nossas mentes para o novo.
  

sexta-feira, 21 de julho de 2017

De volta as origens, mountain bike na veia.

Muita gente não sabe mas em 1996 eu dei os primeiros passos no esporte em cima de uma bike, comecei com passeios entre municípios da região, depois pequenas provas... dia 1º de janeiro de 1997 comecei a me dedicar de vez ao esporte, de lá até os dias de hoje passei por outras modalidades esportivas mas nunca deixei de pedalar.
Nesta temporada foquei meus esforços no trail running, quase não pedalei mas eis que veio a oportunidade de adquirir equipamentos de ponta, os amigos Felipe Avelar e Gustavo Drumond sócios na loja Bike Shop Avelar Drumond conseguiram uma parceria entre a Soul Bikes, Bike Shop e o atleta Ernani assim estou trocando meus equipamentos antigos por novos é diga-se de passagem estou com equipamentos em um nível muito superior ao melhor que já tive.
A mountain bike já chegou, trata-se da Soul Magma HT 729  uma bike puro sangue feita com peças de primeiras linha deixando a bike pronta para enfrentar qualquer circuito ao redor do mundo, seu grupo de transmissão de 12 velocidade e o que tem de mais atual no momento para o esporte de bike off road, um quadro rígido, suspensão pró e freios potentes além de um cockpit todo de carbono da consagrada marca Controltech fazem desta bike um equipamento dos sonhos, para todos os detalhes desta bike clique no nome dela logo acima.
Sem perder o foco na atual temporada começo a visualizar o que vem pela frente, em 2018 com toda certeza muito mais atividades em cima da magrela, no momento estou curtindo o prazer de pedalar uma Soul, vou entrar no ritmo para em breve acelerar forte em algumas trilhas por ai.
Segue meus primeiros treinos com essa bike, por hora só rolé.


Daqui a pouco receberei a road, em breve detalhes sobre ela.
Obrigado Bike Shop, tô feliz demais

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Atividades do final de semana

Sábado dia 8 de julho estive em Barbacena treinando com meu amigo campeão César Picinin, por lá fizemos um excelente treino, foram 31 km com uma bela variação de terreno e um clima que não costumo encontrar regularmente, frio, garoa um pouco de barro, terreno pesado e muito escorregadio em alguns trechos.
Mais uma vez utilizei meus bastões Kailash durante todo o treino, estou entrando em uma fase de gostar da utilização deste acessório.
Ainda no treino de sábado tomei um tombo bobo que m deixou com alguns ralados, o trail running não perdoa vacilou tá no chão, abaixo um pouco dos dados de nosso treino registrado no Strava

Partindo para Barbacena logo cedo
Já no domingo com o corpo cansado e ainda meio dolorido da queda do dia anterior, participei do 1º Uphill do Bairro Cachoeira aqui em Lafaiete, sob a organização do amigo Sérgio Fernandes e seu filho Fabiano Fernandes a dupla organizou uma disputa diferente aqui na cidade, uma prova de apenas 3.5km de pura subida, no final o desnível nem era tão grande mas uma parede de 500 metros e 70 metros de desnível positivo no final do percurso fez muita gente caminhar.
Na prova larguei no bolo e logo fui buscando a ponta, por ali Jeferson e Tibita ditavam o ritmo, os caras estavam forte revezando na ponta sem deixar margem para fugas, usei a estratégia de deixar tudo para o final uma vez que conhecia o percurso, desta forma justamente no ponto crítico da disputa faltando 500 metros apertei um pouco mais o ritmo e consegui alguns poucos segundos de vantagem sobre a dupla.
Aqui também um perfil no Strava da prova de domingo

Atacando o trecho final do Up Hill
Por fim o acontecimento mais importante do final de semana, no meio da tarde recebi uma placa em homenagem aos meus resultados conquistados nas últimas temporadas, o Clube Recreativo Dom Pedro II foi o responsável por esta ação de reconhecimento que me deixou muito feliz.
Então e isso, bora lá começar mais uma semana pois o Mont Blanc esta logo ali.
Secretário de esporte do C.R.D.Pedro II Sr. Leonardo Bellavinha me entregando a homenagem

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Bastões, academia e treino com a elite

Sempre precisamos fazer coisas novas para tentar conseguir resultados melhores, depois do mundial de trail tirei uns dias de folga e avaliei bem algumas possibilidades.
De volta aos treinos visando mais uma participação no UTMB-OCC adicionei a minha rotina semanal um treino com bastão pois pretendo usa-los no Mont Blanc 2017, por hora apenas uma das sessões de treino serão feitas com eles, outra coisa diferente que tenho feito e a musculação, duas sessões semanais visando apenas o fortalecimento muscular .
Minha decisão por inserir novas atividades ao meu treinamento se deve ao meu desejo de tentar chegar mais próximo dos grandes corredores, creio que pequenas ações podem contribuir de alguma maneira para reduzirmos essa diferença.
Para os bastões necessito apurar a técnica para que ele não me atrapalhe ao invés de ajudar, já a musculação apesar de já ter feito um pouco no passado não sou muito fã de academia mas o tempo vem me ensinando que sem esse complemento ficarei sempre um passo atrás dos meus adversário desta força não tive outra escolha a não ser inserir essa atividade na minha rotina.
Visando a continuidade do trabalho de superar barreiras este final de semana sigo para Barbacena onde junto com amigo César Picinin faremos um treino muito legal nas montanhas de sua região, o percurso será o duro Ramalho+antena, abaixo um arquivo do Strava registrado em janeiro quando estive conhecendo este lugar, treinar em lugares diferentes e com atletas de ponta acaba nos tirando da zona de conforto e eleva o nível do condicionamento.