terça-feira, 17 de julho de 2018

Circuito Skyrace chega ao final

 Estou feliz da vida, minha condição física esta em um nível que particularmente considero muito boa.
Nas últimas 7 semanas disputei um bloco de 4 competições de corrida, foram 1 no asfalto e 3 na montanha, o resultado ficou assim, 9º geral e campeão da minha categoria 40/44 anos na Maratona Cidade do Rio de Janeiro, campeão geral da KTR Passa Quatro na distância de 21km (bati o recorde do percurso), campeão geral na Iron Runner Brasil na distância de 21km, campeão geral dos 25km na Ultramaratona dos Perdidos (bati o recorde do percurso) com tantos resultados positivos eu só posso agradecer a Deus e as pessoas que me cerca e contribuem para que eu possa estar onde estou.
Sobre minha última disputa, ela aconteceu em Tijucas do Sul no Paraná, por lá disputei os 25 km da Ultra Maratona dos Perdidos dia 14 de julho, esta prova valeu também como última etapa do Circuito Skyrace.
No Paraná eu cheguei com as pernas já descansadas da disputa anterior, minha meta era tentar a vitória para assim conquistar o título do Circuito Skyrace mas sabia que teria uma missão difícil pois os atletas nativos da região conheciam muito bem o percurso.
Largamos as 8 horas e logo de cara uma longa montanha com 5 km e um grau extremamente difícil devido a inclinação, ali procurei fazer bastante força para tentar filtrar os adversários, quando alcançamos a metade da grande serra apenas o paranaense Rodrigo Neves seguia comigo, fomos juntos atacando os últimos km de subida até que em determinado momento ele começou a perder contato, acabando a subida entramos em um trecho de trilha em descida com um pouco de lama, alguns km a frente o atleta também paranaense Eloí Machado logo encostou e começou a acelerar forte, respondi as acelerações dele prontamente até que chegamos em um ponto que teríamos outra grande montanha para subir, esta por sua vez além de íngreme era um pouco mais técnica foi ai que começou a definição do resultado pois eu acelerei ainda mais e logo comecei a abrir vantagem não administrei em momento algum eu só queria saber de acelerar para não dar margem para possíveis aproximações dos adversa´rios novamente, no final conseguir ser o campeão do dia para distância de 25 km com pouco mais de 5 minutos de vantagem para o segundo colocado.
Algo bem interessante que aconteceu no Paraná foi que o atleta vice campeão Eloí Machado tem exatamente 52 anos, o atleta veterano tem o fôlego de um jovem garoto, me pressionou durante muito tempo e se eu tivesse fraquejado apenas um pouquinho ele teria levado a melhor, vendo a performance dele com cerca de 10 anos a mais que eu fico feliz pois imagino que eu possa também atingir essa idade competindo ainda em um nível muito bom, de agora em diante Eloí fica sendo minha melhor fonte de inspiração.
Com a vitória no Paraná fui campeão do Circuito Skyrace, este resultado me classifica para os mundial da modalidade que acontecerá na Escócia ainda em 2018.
Minha próxima meta será uma das provas mais importantes do ano, no final de agosto disputarei a Ultra Trail du Mont Blanc na França, farei a prova de 101 km classificada como CCC (Courmayeur / Chamapex-Lac / Chamonix) esta ultra maratona tem sua largada na Itália cruza pela Suíça e tem sua chegada em Chamonix na França, será um baita desafio mas estou trabalhando duro para conseguir uma boa performance.
Agradecimento aos meus patrocinadores, Clube Recreativo Dom Pedro II, Cia da Saúde Lafaiete, Kailash e também os apoios da UPFIT, Trifosfato, Gipron, Júlio Borba Fisio bem como os amigos da mídia que sempre fazem a divulgação dos meus resultados. 











segunda-feira, 9 de julho de 2018

Iron Runner Inhotim 2018, mais uma disputa eletrizante


Mais uma grande disputa, engana-se aqueles que imaginam que foi fácil...

Após uma bela batalha terminei como o campeão da 3ª edição do Iron Runner Brasil, competição que acontece dentro do Museu Inhotim em Brumadinho.
Venci esta prova em 2016 e fui vice campeão em 2017, o desejo de retornar ao lugar mais alto do pódio na distância de 21 km era grande então usei uma estratégia um pouco arriscada mas que no final deu certo.
Larguei forte, esperei que a peneira passasse sob aqueles que mesmo sem condições largam mais forte ainda, enquanto corríamos dentro do Museu serpentando os caminhos de passeio perto da área central um grupo grande se manteve junto porém bastou começar a subir que eu consegui desgarrar do pelotão, junto um corredor de rua o atleta Fábio Cardoso, ele provavelmente não me conhecia mas eu sabia que se tratava de um corredor de rua pois já nos encontramos em algumas provas no passado.
Minha estrategia era de atacar, atacar e atacar, eu estava decidido que iria fazer força até não aguentar mais, estava vindo de uma semana pesada mais era isso mesmo que eu queria, me testar em condições extremas de desgaste.
Eu acelerava nas subidas e Cardoso respondia em cima, isso se seguiu até próximo do km 10 quando no final da última subida mais dura do circuito eu consegui abrir um "gap" e ataquei na descida, eram um estradão sem fim onde eu conhecia muito bem e também havia perdido a prova em 2017.
Dai pra frente fui acelerando e abrindo gradativamente vantagem até que sai do visual do perseguidor.
Terminei a prova feliz da vida com mais uma vitória e agora sou bicampeão do Iron Runner Brasil. 







terça-feira, 3 de julho de 2018

Mundial de Trail Running 2019 - Quais as minhas chances de ser um dos convocados ?

Foram divulgados recentemente os critérios para a seleção de atletas que irão representar o Brasil no Mundial de Trail Running 2019, a prova acontecerá dia 08 de junho de 2019 novamente em Portugal portanto daqui a 11 meses.
Mesmo com uma prazo digamos ideal para que os atletas escolham suas provas, se programem para treinamentos e tentem a vaga (lógico que isso para quem desejar fazer parte da seleção brasileira) ainda assim alguns atletas podem achar que as formas de seleção não foram as melhores, uma formula para atender a todos será quase impossível de conseguir, eu respeito a opinião de todos mas com esta ação na divulgação do critérios ainda em 2018 e com as 3 possibilidades de seleção ao meu ver ficou muito bom.

QUAIS AS MINHAS CHANCES DE FAZER PARTE DO GRUPO QUE IRÁ AO MUNDIAL?

Primeiro preciso dizer que tenho sim interesse em estar na seleção que irá ao mundial em 2019, mas a tarefa não será nada fácil entenda porque.

*A primeira forma de seleção será; (vou resumir, maiores detalhes vide carta aberta sobre este tema clicando neste link CARTA ABERTA).

*CIRCUITO SELETIVA MUNDIAL TRAIL 2019
Campeão e vice no ranking geral do circuito Seletiva Mundial Trail 2019 serão convocados, o circuito será constituído das seguintes provas.
1- Maratona dos Perdidos 44km
2- Faccat Trail Run 50km
3- La Mission Race 75km
4- KTR Ultra Ilhabela 76km
5- Brasil Ride Botucatu 69km
6- Uma prova de escolha livre por parte dos atletas (eventos realizados no período de 01/07/2018 a 31/12/2018 - distancia small - ITRA e que forneça pontos para índice de performance ITRA).
INFELIZMENTE NÃO PARTICIPAREI DE NENHUMA DESSAS PROVAS O QUE ME DEIXA FORA DE SER CONVOCADO ATRAVÉS DESTA PRIMEIRA POSSIBILIDADE.

A segunda forma de seleção será;
*COPA SELETIVA MUNDIAL TRAIL 2019.
Campeão e vice da Copa Seletiva Mundial Trail 2019 serão convocados.
A prova que valerá como Copa Seletiva será Indomit Pedra do Baú que até o momento ainda não tem data marcada mas existe possibilidade de ser em março.
Aqui eu colocarei todas as minhas fichas pois esta será a única possibilidade que terei de disputar uma vaga de forma direta já que a terceira e última possibilidade depende de vários fatores.

A terceira e última forma de seleção será;
*CONVOCAÇÃO POR ANÁLISE TÉCNICA E PERFORMANCE
Serão convocados duas atletas femininas e dois atletas masculinos mais dois atletas de cada gênero (masculino/feminino) reservas baseados em análise técnica, performance e índice de performance ITRA categoria Geral do dia 01 de janeiro de 2018 à data de realização da copa Brasil 2019.
* Todas as formas de seleção se aplica ao sexo feminino e masculino

Então e isso minha gente, pra quem tem planos de representar o Brasil no próximo mundial chegou o momento de sentar com seu treinador para planejar este ciclo, começar a pensar em meios de captar recursos através de patrocínio ou outros para custear as despesas pessoais da viagem.
Vou trabalhar arduamente para estar nesta seleção, o Mundial de Trail Running 2019 será meu foco principal para próxima temporada.



sábado, 30 de junho de 2018

Concentração máxima no foco

Imagem da pré largada da KTR Passa Quatro - Fotógrafo Ney Evangelista

O mês de junho vai chegando ao fim, muita coisa aconteceu nestes últimos 30 dias, pra mim em particular foi um mês espetacular pois voltei a correr rápido em uma maratona de rua quando marquei 02:32:29" na Maratona Cidade do Rio de Janeiro, este tempo me colocou na 9ª colocação geral e também fui o campeão na minha categoria 40/44 anos, fiquei bem próximo do meu melhor tempo em uma maratona e fiz minha terceira prova de 42 km com tempo abaixo de 02:35:00.
Para fechar o mês após dois anos voltei a KTR Passa Quatro, por lá disputei a prova média foram 21 km explorando belas montanhas na região, mais uma vez consegui uma importante vitória e agora sou o líder isolado do Circuito KTR 2018 na distância média. 
Entre as duas provas de trail running disputei a Maratona Internacional Estrada Real de Mountain Bike e também fui ao pódio na minha categoria conquistando a 8º colocação em uma disputa que além de dura foi complicada pra mim devido a problemas mecânicos.
Sem muito tempo para descansar esta semana já esta sendo de trabalho duro pois daqui exatamente 63 dias irei disputar o maior desafio da minha trajetória esportiva Estarei em Chamonix na França para disputara a UTMB na prova CCC que tem uma distância de 101 km, minha projeção de tempo de conclusão para esta disputa será de mais de 16 horas de prova, um baita desafio.

terça-feira, 26 de junho de 2018

KTR Serra Fina, mais uma bela disputa

Depois de perrengues na viagem, depois de chegar minutos antes da largada, finalmente completei a KTR Passa Quatro com uma bela vitória na prova média.
Foram 21 km com 1450 metros de desnível positivo, muitos atletas fortes é todos querendo a vitória.
No final além da vitória bati também o recorde do percurso em pouco mais de 3 minutos, feliz da vida só me resta comemorar.












sexta-feira, 22 de junho de 2018

KTR Passa Quatro 2018



Tudo pronto...
Daqui a pouco sigo para Belo Horizonte, de lá para São Lourenço onde chego apenas as 6 horas da manhã de sábado, de lá pego uma carona e chego em Passa Quatro para disputar a segunda etapa do Circuito KTR Series 2018, sem condição de me ausentar do trabalho as sextas feiras minha rotina para as provas de trail running será sempre assim, viagem na véspera da disputa com chegada na arena de largada sempre minutos antes do tiro inicial.
Sem mais churumelas aceito enfrentar esses desafios pois gosto de correr é se para isso precisar ter um sacrifício extra então que seja.


Em Passa Quatro disputarei a prova média, será cerca de 20km com 1450+, muitos atletas fortes estão inscritos inclusive o recordista do percurso o paulista Rosival da Conceição Pereira.
Uma coisa bem legal que vai acontecer em Passa Quatro será que todos os atletas da equipe Kailash Team Laf estarão na prova, encontro esse que não acontece em sua totalidade a muito tempo.
Vamos correr e confraternizar em seguida. 

quinta-feira, 21 de junho de 2018

Critérios para seletiva do Mundial de Trail Running 2019


Acaba de ser divulgado uma "Carta Aberta" com os critérios para formação da equipe Brasil que representará nosso país  no Mundial de Trail 2019, tais critérios foram elaborados pelos Srs Sidney Togumi diretor técnico da CBAt e pelo professor Guilherme Gularte de Agostini
O comunicado vocês podem ler na íntegra logo abaixo.


Na minha opinião com esta ação de hoje aconteceu justamente o que os atletas brasileiros precisavam para se programar e aqueles que desejam representar nossa nação terão tempo suficiente para se programarem, elaborarem suas metas através do calendário de provas seletivas e definitivamente brigar por uma das vagas na seleção.
Nos anos anteriores sempre escutei muita coisa a respeito das seletivas e até mesmo de quem foi ao mundial ou os que ficaram de fora, isso e normal levando-se em conta que estamos em um processo de aprendizado, muitos ajustes precisavam ser executados antes de chegarmos ao acontecimento de hoje.
Com isso espero que a elite do trail brasileiro possa se unir em prol de um interesse comum, fazer com que as seletivas sejam as mais fortes possíveis para que assim nossa seleção possa estar representada com o que tivermos de melhor neste próximo ciclo de 12 meses.
Respeito a opinião de todos mas a partir de hoje, pelo menos para este ciclo não PODEREMOS reclamar que não tivemos chances, não poderemos reclamar de proteção alheia a quem quer que seja, as cartas estão na mesa, chances iguais para todos.
Quem tiver interesse em estar entre os melhores e também em representar nossa bandeira que saia de sua zona de conforto e corra atrás de resultados.
Parabéns para todos os envolvidos neste processo que não parece mas começou a 3 anos atrás.