terça-feira, 2 de agosto de 2016

Reta final nos treinamentos para UTMB-OCC

Em uma ultra maratona com certeza o mais difícil e o treinamento, quando essa ultra se desenrola por grandes montanhas a missão e ainda mais complexa pois além do volume de treinamento em horas e kms temos que pensar em altimetria, uma semana com um treino bem ajustado trabalhando todos os elementos que compõem uma ultra na montanha e sinal de exaustão.
Até o mês de abril e maio deste ano eu não passava de 90 kms semanais sempre com pouca altimetria mesmo sendo um corredor de montanha não vinha fazendo treinos muito longos e com altimetria elevada, agora com tudo acertado para minha participação no UTMB-OCC mudei um pouco meus treinos porém de forma progressiva, nas ultimas 4 semanas por exemplo rodei uma média de 105 km, com pouco mais de +3000m, o tempo de treino também subiu consideravelmente.
Esta semana que finaliza em 07 de agosto estou desacelerando um pouco para em seguida encarar a semana de maior carga e altimetria para logo em seguida a partir de 15 de agosto entrar em fase de descanso para que no dia 25/08 eu possa estar em condições de tentar fazer uma grande prova.
Quando olho para os meus números de treinamento e olho para alguns números de meus amigos/adversários fico em um primeiro momento meio assustado pois aos meus olhos eu treino muito pouco, por outro lado sei que ainda não finalizei minha segunda temporada de corrida em montanha desta forma penso que meu organismo assim como meu corpo esta se adaptando ainda ao maior estresse, neste momento não tenho condições para fazer muito mais do que venho fazendo.
Olhando para frente e pensando no futuro vou seguir para Chamonix com apenas uma coisa em mente, terminar a prova que tem 53 km e +3500 metros de desnível positivo com um tempo sub 6 horas, se conseguir já será para mim uma enorme vitória.
Por hora posso dizer que esta tudo correndo bem, inclusive recentemente fiz mais uma avaliação na Trifosfato do grande amigo Dr. Gerson Leite e após receber os resultados do meu Mountain Test pudemos contatar que venho que uma evolução progressiva nos últimos meses, pelo menos no laboratório minhas informações fisiológicas apontam para uma possibilidade muito grande de um bom resultado, com os pés no chão sigo treinando para poder fazer com que o que vemos no computador possa muito em breve virar um resultado real.
Para quem estiver se perguntando sobre o 5% da imagem acima isso representa meu atual percentual de gordura, ir para França mais leve pode fazer a diferença.

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Mountain Test, só a Trifosfato tem

Até o momento tudo correndo bem, após os desafios seguidos de uma maratona (rua) e duas corridas de montanha de 21kms em menos de um mês já sinto que meu corpo se recuperou bem do esforço e já consigo colocar uma carga razoável dentro do que tenho planejado, semana passada foram 103km com um pouco mais de 3200+ de altimetria e um tempo total de 8h35min, isso só de corrida sem contar bike e treino funcional/força.
Para esta semana provavelmente ficarei também nesta faixa de treinamento a meta era fazer um pouco mais porém terei um compromisso importante no sábado estarei na Clínica Trifosfato do Dr. Gerson Leite, onde irei fazer as avaliações finais para ver como esta meu condicionamento e também para fazer ajustes necessários para esta reta final de preparação para OCC em Chamonix, na Trifosfato a avaliação mais importante será o Mountain Test trata-se de uma avaliação como o próprio nome diz, focada em avaliar corredores de montanha inclusive eu fico feliz em poder dizer que eu contribui em partes com informações de treinamento para criar os parâmetros deste teste.
Logo que eu voltar e tiver com os resultados em mãos publicarei um resumo do que conseguimos coletar de informação.

segunda-feira, 11 de julho de 2016

El Cruce 2017, inscrições abertas



E hoje abrem as inscrições para uma das provas de montanha mais lindas: o El Cruce Columbia 2017!
100 km em 3 dias de trekking ou corrida na Patagônia!
Categorias solo avançado ou amador e dupla, a corrida acontece entre os dias 1 à 5 de fevereiro de 2017.
Os corredores acampam dois dias na exuberante Cordilheira dos Andes em barracas fornecidas e montadas pela organização, também responsáveis pela alimentação dos corredores, tudo isso incluso na inscrição.
Uma travessia para todos que buscam uma grande aventura.
Em 2017 a cidade sede será Cerro Catedral.
Acesse o site: www.elcrucecolumbia.com e participe!

terça-feira, 5 de julho de 2016

Vitória na KTR Campos/Pinda, vitória também na Iron Runner

Sequência boa de competições, dia  25 de junho estive em Campos do Jordão para a disputa da KTR Campos/Pinda, foram 21km com 1500+, prova dura e bem disputa pois alguns dos melhores corredores de montanha estavam presente, com uma estratégia bem acertada consegui uma vitória para me encher de motivação para os próximos desafios.
Uma semana depois posso dizer que corri em casa, dia 03 de julho estive em Brumadinho onde no Fantástico Parque Inhotim pudemos desfrutar de mais uma bela competição, novamente a minha distância favorita, 21km de muito sobe e desce e algumas trilhas para apimentar a disputa.
O Iron Runner como e chamada a prova em Brumadinho em um primeiro momento foi uma competição light priorizando uma iniciação na modalidade, o grau de dificuldade foi moderado mais ainda assim 21km não e para qualquer um e muitos inclusive eu, sentiram o desgaste nos últimos quilômetros que inclusive foi o trecho onde se teve mais partes técnicas.
Mais uma vez uma estratégia acertada que me fez liderar a prova de ponta a ponta e vencer minha última prova que estava nos planos para o primeiro semestre.
Venho em uma sequência de 3 provas bem difíceis em um período de 4 semanas sendo que disputei uma maratona na rua e duas provas de 21km na montanha, agora preciso passar um período me recuperando e ao mesmo tempo me preparando para o primeiro desafio do segundo semestre quando estarei em Chamonix/FRA para disputar a Ultra trail do Mont Bloc, neste evento farei a prova denominada OCC com 53km, será minha estreia em provas de montanha na Europa por lá sei que o nível e fortíssimo mas sei também que fazer o dever de casa neste momento tenho chances de conquistar um bom resultado.
agora passo 7 semanas concentrado nos treinamentos visando um melhor aproveitando na melhora do meu desempenho.















quinta-feira, 23 de junho de 2016

KTR Campos do Jordão 2016

 De volta as montanhas, neste próximo sábado eu irei disputar a 2ª edição da KTR Campos do Jordão, em 2015 fiz a distância maior e posso afirmar que pelo menos para mim esta prova foi a mais dura de 2015.
Para esta temporada devido a uma estratégia que estou utilizando na preparação para OCC em agosto irei disputar a distância média, 21km que de fácil não tem nada é para ter certeza disso basta olhar o tempo do campeão de 2015, Alexandre Manzan que e um grande corredor também das montanhas terminou a prova com tempo de 02:49:51" pace de 08:05" brutalidade pura.
Pra mim a única coisa ruim e que não poderei chegar em Campos do Jordão na sexta feira, vou chegar apenas no sábado pela manhã, vai ser a conta de calçar o tênis e correr para largada ainda assim espero fazer uma boa prova, vamos ver o que eu consigo.
Então e isso, sorte para todos que estiverem na KTR Campos do Jordão 2016, com certeza a diversão será garantida. 

sexta-feira, 17 de junho de 2016

Descansar e preciso...

Semana de treinos regenerativos para dar um devido prazo para o corpo se recuperar do esforço de correr uma maratona, as dores já passaram mas o estresse e as micro lesões ainda estão por ali sendo assim se não tirar o pé nos primeiros dias pós maratona paga-se caro lá na frente.
Esta semana foi bem light, recuperação ativa para o corpo não ficar preguiço, durante minhas corridas e pedaladas só mesmo a preocupação com a recuperação, nada de elevar a frequência cardíaca nos níveis mais altos.
A exceção será no domingo quando irei fazer um treino de bike um pouco mais longo mas sem muita intensidade, meu próximo compromisso será a KTR Campos do Jordão por lá minha programação será de correr a prova de 21kms pois os 42kms são duros por demais, ano passado foram cerca de 6 horas de prova e eu terminei na 2ª colocação geral, em virtude de estar vindo de uma maratona achei melhor segurar a onde e esperar mais algum tempo para encarar uma prova de trail run mais longa.
Por hora somente sombra, água fresca e jornal da letra grande para não cansar nem a visão. 

terça-feira, 14 de junho de 2016

Maratona de Porto Alegre 2016 - Parte 2 A prova.


Nossa, nunca havia sentido tanto frio...
Como já era esperado por todos devido a ampla divulgação na mídia nacional o final de semana foi de frio intenso em várias partes do Brasil, Porto Alegre amanheceu gelada e não teve jeito todos os atletas participantes da maratona tiveram que enfrentar o frio intenso.
Segui para POA com a certeza que teria uma parada dura pela frente, não gosto de frio pois ele joga meu psicológico para baixo, não consigo me concentrar e geralmente tenho minha performance prejudicada quando o clima esta nestas condições, lembro-me bem que em 2010 na cidade de São Loureço disputei uma prova de mountain bike em um dia de clima muito frio parece que estava algo em torno de 5° graus, neste dia não andei nadinha e nem o pódio consegui conquistar, foi algo para se esquecer pois o sofrimento foi grande.
Em Porto Alegre a previsão era de 3º graus as 7 horas da manha, pensa isso aliado a estar ao lado do gigante Rio Guaíba? a sensação térmica devia ser ainda menor.
Consegui com amigo Cleimar coordenador da equipe Cia dos Cavalos um suporte para este evento inclusive pude usar o QG dele que ficava pertinho da largada desta forma me preparar para a largada foi um pouco mais fácil.
A parte mais difícil foi tirar o agasalho, feito isso foi hora de aquecer, um pequeno trote e já estava eu alinhado esperando a largada que aconteceu bem no horário.
Largamos e logo já foi se formando um pelotão e até a passagem do km 1 foi tudo muito tranquilo, a partir do km 2 os elites começaram a apertar, neste momento senti algo de estranho no meu tênis, parecia que havia uma pedra agarrada na sola bem próximo do dedão do pé esquerdo, fui fazendo alguns movimentos com pé logo que ele tocava ao chão porém como não fazia nenhum barulho percebi que não era pedra então resolvi parar, vi que não era nada com tênis e sim com a meia, ela havia embolado dentro do tênis e assim estava gerando um incomodo, deixei como estava e logo parou de me incomodar deixar a situação continuar deste jeito foi o maior erro do dia.
A prova foi seguindo e eu não consegui me concentrar, não conseguir achar um ritmo legal para eu levar a prova o maior tempo possível, parece que eu não entrei na prova, todas as extremidades do corpo estavam doendo de frio.
Passei pelo km 21 com pouco menos de 01:12:00", percebi que mesmo tendo uma parte mais técnica pela frente com muitas curvas e alguns subidas leves eu poderia fazer um bom resultado, o meu recorde pessoal poderia cair e assim segui brigando com cronometro e com o frio.
Fui ganhando posições e lá pela altura do km 34 alguém gritou, vai lá você e o 11º geral, poxa cadê todo mundo? onde se enfiou todos aqueles atletas do grande pelotão que seguia a minha frente? logo lembrei que a meia maratona largou junto assim muitos atletas que ali estavam iriam disputar só metade da prova, assim me animei e tentei colocar um pace mais forte para buscar os que estavam na minha frente eis que de repente aquela meia embolada veio cobrar seu preço, comecei a sentir uma dor terrível e pensei que estava por perder a unha do dedão, comecei a pisar meio torto para aliviar a pressão no local da dor e assim segui em frente, mesmo sofrendo consegui buscar alguns atletas e para minha surpresa cruzei a linha de chegada na 6ª colocação geral, fui o campeão na categoria 40/44 anos, mas minha felicidade durou pouco pois mais uma vez nesta temporada devido a erros na apuração não recebi meu troféu, na verdade todos os atletas que deveriam ter recebido premiação de faixa etária da maratona e da meia maratona voltaram para casa de mãos vazias.
Avaliando minha prova, terminei com tempo extra oficial de 02:32:56" um pouco acima do meu recorde pessoal, gostei do circuito imagino que se não tivesse tão frio e não tivesse ocorrido o problema da meia que gerou uma enorme bolha no meu pé poderia ter batido meu recorde pessoal, mas como as adversidades em provas longas são muitas preciso estar melhor preparado para a próxima oportunidade.
Agora uma semana de treinos leves e regenerativos pois dia 25 de junho estarei em Campos do Jordão para a KTR por lá vou disputar desta vez a distância média, 21kms, vamos ver o que consigo.